Vendas no varejo crescem 3,4% em agosto

 O comércio varejista teve a quarta alta mensal seguida em agosto com o crescimento de 3,4% no período. Na comparação com o mesmo período no ano passado, o comércio cresceu 6,1%, terceiro resultado positivo seguido. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (8) pelo IBGE.

Com o resultado, o setor atinge o maior patamar de vendas desde 2000, ficando 2,6% acima do recorde anterior, de outubro de 2014, como conta o gerente da pesquisa, Cristiano Santos.

“O varejo em abril teve o pior momento, com o indicador se situando 18,7% abaixo do nível de fevereiro, período pré-pandemia. Esses números foram sendo rebatidos nos meses seguintes, até que em agosto o setor ficou 8,2% acima de fevereiro”, explica o gerente da PMC, Cristiano Santos.

Para o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa, o resultado da pesquisa não foi uma surpresa. “Sabíamos que a flexibilização das medidas de restrição traria fôlego ao setor varejistas e, ao mesmo tempo, já tínhamos verificado que a ajuda proporcionada pelo Auxílio Emergencial estava surtindo um efeito virtuoso na economia”, diz José César.

Segundo o presidente da CNDL, as medidas governamentais tiveram grande apoio das entidades representativas do comércio e serviço, que atuaram ativamente para aprovação e aperfeiçoamento das propostas. “As lideranças empresariais, como as da CNDL, fizeram um grande esforço junto aos parlamentares para encontrarem as melhores saídas para a crise”, diz. “Essa parceria foi fundamental para o resultado fantástico que vemos agora”.

Para o dirigente, a capacidade de adaptação do varejo brasileiro às novas necessidades do consumidor deve ser destacada. “O comerciante foi rápido ao perceber que a digitalização e a adoção de novos serviços como o delivery seriam determinantes para a continuação dos negócios”, explica o dirigente.

Desempenho por atividade
Cinco das 8 atividades pesquisadas tiveram alta na passagem de julho para agosto. Entre as que apresentaram maior crescimento estão tecidos, vestuário e calçados (30,5%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (10,4%), móveis e eletrodomésticos (4,6%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (1,5%) e combustíveis e lubrificantes (1,3%).

Livros, jornais, revistas e papelaria recuaram 24,7%. O jornaleiro Maurício Souza diz que está sem esperança de melhora nas vendas.

No comércio varejista ampliado, o volume de vendas cresceu 4,6% frente a julho de 2020. Nos últimos 12 meses, o comércio varejista acumula alta de 0,5%.

Com informações da Agência IBGE

Postado em: Notícias

Você pode gostar de:

COMÉRCIO FUNCIONARÁ NO DIA DA CIDADE – 12/12/2020 COMÉRCIO FUNCIONARÁ NO DIA DA CIDADE – 12/12/2020
Décimo terceiro: brasileiros pretendem gastar mais com presentes do que com pagamento de dívidas, apontam CNDL/ Offer Wise Décimo terceiro: brasileiros pretendem gastar mais com presentes do que com pagamento de dívidas, apontam CNDL/ Offer Wise
Black Friday – Aproveitem as grandes promoções e realizem suas compras no comércio de nossa cidade. Black Friday – Aproveitem as grandes promoções e realizem suas compras no comércio de nossa cidade.
Primeiro lugar no pódio entre as unidades de Certificação Digital SPC Brasil do interior da Bahia. Primeiro lugar no pódio entre as unidades de Certificação Digital SPC Brasil do interior da Bahia.

Deixe seu comentário

Enviar Comentário